Questões frequentes (FAQs)

Seguem-se as respostas a algumas questões que recebemos mais frequentemente:

Se ainda assim, você não encontrar a resposta que procura tente verificar no site.

Usando os florais

Qual o remédio para a asma, a síndrome de intestino irritável, as dores de cabeça, tensão muscular, etc?

Os florais de Bach não tratam doenças físicas de forma direta. Ao invés, eles ajudam tratando estados emocionais negativos que provocam ou agravam tais doenças.

Ou seja, a forma de selecioná-los corretamente implica sempre pensar em que tipo de pessoa você é e qual seu estado emocional atual, "esquecendo" o sintoma físico em si.

Onde posso encontrar um terapeuta credenciado de florais de Bach?

Fácil!

Como se tomam os remédios?

Os remédios se encontram em forma líquida, preservados em brandy. Para tomá-los, dilua duas gotas de cada remédio num frasco conta gotas de vidro de 30 ml e encha-o de água mineral. Desse frasco de tratamento tome quatro gotas, no mínimo quatro vezes ao dia.

Em alternativa, coloque duas gotas num copo de água e vá bebendo a pequenos goles e de forma espaçada.

Talvez você tenha que misturar dois ou mais remédios para fazer coincidir sua mistura de florais com a gama de emoções que você está sentindo.

Acaso os florais funcionam mais rápido se não forem diluídos?

Se não diluir seus florais, o gosto do brandy contido vai lhe dar a impressão de estar tomando um remédio bem mais forte. Porém, esse não é o caso! Não tem nenhuma diferença de potência ou eficácia a nível do efeito produzido entre 4 gotas do frasco de tratamento ou tomar o remédio puro.

É seguro tomar os remédios durante a gravidez?

Sim, é seguro. A concentração de álcool presente nos florais puros e sem diluir pode ser ignorado normalmente, pois a dose ingerida em cada toma é muito pequena. No entanto, se tem alguma dúvida nesse sentido, lhe aconselhamos a pedir opinião ou conselho de um médico ou parteira.

É seguro tomar os florais em simultâneo com outros tipos de medicamentos?

Normalmente não há qualquer problema de tomar florais de Bach em paralelo com outros medicamentos. O ingrediente ativo nos florais é a energia da planta e não uma substância física. Por isso não interferirá com a ação fisiológica de outro medicamento. Nem o outro medicamento impedirá os florais de atuar.

A única questão a precaver é a do álcool utilizado para preservação dos remédios. Em geral, ele pode ser ignorado pois a dose é irrelevante. Porém, antes de tomar qualquer remédio e caso lhe tenha sido recomendado evitar o consumo de álcool, você deverá se aconselhar com seu médico, farmacêutico ou auxiliar de saúde.

Em quanto tempo faz efeito o remédio de emergência? E os outros remédios quanto tempo demoram para se fazer sentir?

A fórmula de emergência funciona bastante rapidamente pois é usada para situações de emergência e não para problemas muito enraizados.

Os outros florais podem funcionar igualmente rápido. Porém, se você está lidando com uma determinada questão faz tempo é natural que só note uma melhora ou mudança significativa semanas ou mesmo meses mais tarde.

Quantos remédios posso tomar em simultâneo?

É bastante usual tomar até 6 ou 7 remédios numa mistura e esse é o limite absoluto com que lhes sugerimos trabalhar. Sabe-se que, em duas ocasiões, o Dr. Bach selecionou 9 remédios juntos, no entanto, ele assistiu milhares de pessoas em um período de vários anos.

Qual a probabilidade de ter reações e erupções cutâneas e como são provocadas?

Os remédios atuam inundando e removendo através de sua energia harmoniosa nossas emoções e sentimentos negativos.

Por vezes as emoções com que estamos nos debatendo estavam bem reprimidas que para purificá-las é necessário limpá-las do sistema primeiro, logo, fazê-las aflorar. Em raras ocasiões, isso pode tomar a forma de erupção ou de um sentimento que irrompe inesperadamente. Quando tal ocorre não há razão nenhuma para deixar de tomar seus florais.

Existem outros remédios pré-misturados além do remédio de emergência do Dr. Bach?

O único remédio floral pré misturado que recomendamos é o remédio de emergência ou «fórmula de crise» que a maioria dos produtores produz. A marca mais conhecida vende-se sob o nome de "Rescue Remedy".

Essa mistura foi concebida para abranger as reações habituais das pessoas a situações críticas ou emergências. Ela pretendia ser um kit de primeiros socorros. Por isso, imediatamente após a crise passar, o correto é verificar a resposta particular do indivíduo à situação, em vez de continuar tomando o remédio de emergência indefinidamente.

Muitos produtores criaram também outras combinações. Nós desaconselhamos a sua utilização. É bastante impreciso preparar a mesma mistura para todos aqueles que estão estudando para um exame, por exemplo, ou para todos aqueles que sofrem de depressão ou de insónia. Não existem duas pessoas reagindo do mesmo modo e por essa razão é necessário encontrar a fórmula pessoal de cada um, em cada ocasião.

Alguém me disse que deveria tomar Star of Bethlehem e o remédio de resgate em simultâneo. Eu pensava que Star of Bethlehem era um dos componentes do remédio de emergência, porquê então deveria tomar os dois?

A combinação de resgate é um remédio de uso em caso de emergência - o tipo de coisa que você mantém por perto no caso de algo correr mal.

Posteriormente, se lhe parecer que a emoção central por você vivida foi o choque, então pode passar a tomar apenas Star of Bethlehem. Você poderia ter tomado os dois desde um início - não lhe teria feito nenhum mal - contudo, o remédio de emergência sozinho teria bastado para suportar a crise inicial.

Em geral, deveríamos pensar no remédio de urgência como um remédio por si próprio, com suas indicações específicas e não como um preparado de cinco remédios.

Estou utilizando o remédio de emergência em creme para um eczema e parece estar piorando. Deveria parar de usá-lo?

Alguns eczemas não respondem bem a nenhum creme. Em vez de creme, junte Crab Apple e a fórmula de emergência - ou qualquer outra mistura de remédios que você selecione - de acordo com a forma como você se sente; junte com água e lave o eczema duas vezes ao dia.

Como se escolhe remédios para outra pessoa?

A chave para selecionar remédios é perguntar à pessoa como ela está se sentindo nesse momento (mais do que ontem ou no ano passado!) e considerar também o tipo de personalidade da pessoa. Depois simplesmente selecione os remédios correspondentes.

Por exemplo, imagine alguém que está se sentindo ansioso por uma entrevista de trabalho e manifesta sua ansiedade se irritando com sua família sempre que eles não fazem as coisas como ele faria. Os remédios a selecionar seriam Mimulus para lidar com a ansiedade e o medo e Beech para lidar com a intolerância.

De vez em quando sinto medo durante a noite, incluindo medo do escuro. Isso é Aspen ou Mimulus?

Depende, seria a resposta!

Medo do escuro é um medo conhecido por isso, indica Mimulus. Porém, parte desse medo poderia considerar-se um «medo de algo inefável que possa existir no escuro, ou de algo que lhe sucede ou que você sente quando não consegue enxergar e que você não sabe especificar - e isso é um medo Aspen.

Do mesmo modo, se você escutar um ruído e pensar que pode ser um intruso, então isso seria um medo específico e conhecido e você tomaria Mimulus, ou Rock Rose se ficasse realmente aterrorizado. Mas se esse medo fosse puramente imaginário - e você verificasse por toda a casa sem encontrar ninguém, mas continuasse sentindo uma presença - aí seu medo começaria a ser do tipo Aspen.

Na prática, quando por vezes você não consegue se decidir entre esses dois remédios, talvez o mais acertado seja tomá-los juntos pois pode bem se dar o caso de elementos característicos desses dois tipos de medo se encontrarem presentes.

Como é que depressão Sweet Chestnut se compara à depressão Mustard? E como se compara o desespero Gorse e a falta de esperança Gentian?

Gentian serve para um desânimo moderado após uma contrariedade. Por exemplo, se você se candidatou a um posto de trabalho e não foi selecionado talvez você pense «Vou mesmo é desistir de tentar!» mas com um suspiro preenche outra proposta de candidatura.

Gorse serve quando você se sente muito pessimista mesmo! Algo correu mal e você decide desistir porque realmente crê que não faz sentido continuar tentando. Mantendo o mesmo exemplo, a sua resposta ao facto de não ser escolhida seria um «Acabou! Desisto!», enquanto regava de lágrimas um outro formulário de candidatura.

Sweet Chestnut é radicalmente diferente. Dr. Bach inclui Gorse e Gentian no seu grupo de remédios para a incerteza pois nenhum desses dois florais trata realmente do desespero mas sim de uma falta de fé e de certeza. Se Gorse e Gentian tivessem um pouquinho mais de certeza, de segurança em seu sucesso, eles não se deprimiriam de jeito nenhum. Em contrapartida, o estado Sweet Chestnut surge quando todos os caminhos parecem vedados.

Imagine alguém que não conseguiu o tal posto de trabalho. Seu aluguel continua por pagar, sua mulher e seus filhos estão famintos. Ele não tem dinheiro nem para ir à entrevista e suas roupas estão de tal modo gastas que ele não tem o que vestir para se apresentar decentemente ao trabalho, caso seja admitido. Entretanto, chegam os oficiais de justiça para o despejar.

Isso sim é desespero absoluto. Isso é a noite escura da alma, quando não tem mais caminho para onde ir. Quando nem sequer o suicídio é uma solução possível pois isso significaria deixar sua mulher e seus filhos ao abandono.

Quando você imagina Sweet Chestnut dessa forma, é possível vislumbrar de um modo muito claro a diferença entre este floral e Gentian ou Gorse.

Quanto a Mustard, ele serve para quando tudo em nossa vida está bem, mas ainda assim a pessoa se está sentindo triste, como se uma nuvem negra pairasse sobre a sua cabeça. Pode até ser que a pessoa tenha conseguido o tal trabalho que tanto desejava...deveria estar se sentindo satisfeita e feliz mas seu astral está bem baixo. Se lhe perguntar porquê está tão em baixo, a resposta dela resumirá a um encolher de ombros! Em estado Mustard a pessoa não sabe porquê se sente como se sente.

Pode-se tomar os remédios com chá, café e demais bebidas?

Você pode juntar seus remédios florais de Bach em qualquer bebida: chá, café, refrigerantes, etc. Neste sentido os florais divergem bastante dos medicamentos homeopáticos.

Colocar suas gotas em uma bebida quente tem a vantagem de evaporar o álcool presente. Por vezes se recomenda esse método a pessoas que não gostam do sabor ou do conteúdo alcoólico dos florais.

Ouvi dizer que se você tomar um remédio por um período demasiado prolongado você acabará experimentando o lado negativo desse floral.

Isso não é de todo verdade! Os remédios são totalmente positivos e em momento algum fazem com que se manifeste o estado negativo em você.

É necessário juntar álcool num frasco de tratamento?

O álcool ajuda a conservar a água que o frasco de tratamento contém. Muitas pessoas adicionam brandy ou outra bebida espirituosa às suas misturas especialmente se o frasco não for mantido num ambiente frio - por exemplo, se a pessoa pretende levar o remédio no bolso o tempo todo. Uma colher de chá de brandy (cerca de 5ml) é o bastante.

Outras formas de preservar sem álcool o conteúdo fresco são, por exemplo, guardar o seu frasco no frigorífico; juntar-lhe uma colher de chá de vinagre de cidra ou de glicerina vegetal.

Quando se deve parar de tomar os remédios?

Quando o problema que você está tratando desaparecer. Não faz falta continuar tomando para prevenir uma "recaída" nem deixar de tomar gradualmente como se faz com outros medicamentos -esteróides, betabloqueadores, etc.- também não há necessidade de tomar um número específico de doses ao longo de um número específico de dias, como no caso de um antibiótico.

Se a situação piorar depois de começar a tomar os remédios deveremos parar de tomá-los ou continuar?

Os florais não causam efeitos secundários nem agravamento de nenhum tipo. Porém, eles podem mexer com sentimentos reprimidos que precisam ser limpos antes de você poder atingir uma cura completa num determinado nível ou questão. Se for esse o caso, você pode verificar se existe algum floral que deva tomar em alternativa à formula que está tomando atualmente ou se algum floral deve ser acrescentado.

Porque seus efeitos são benéficos, não há necessidade de deixar de tomá-los. Mas se você estiver tomando os remédios errados, isso significará apenas que as questões que desejava abordar simplesmente não serão melhoradas, contudo também não serão agravadas pelo equívoco.

É verdade que é sempre melhor escolher poucos remédios?

Como ponto de referência, tratamos de não ultrapassar os seis ou sete remédios por mistura. Visto que a experiência tem demonstrado que mais do que essa quantidade de remédios habitualmente não faz falta. Sobretudo se você refletir um pouco durante o processo de seleção. Tomar mais remédios do que o necessário significa que a precisão do enfoque se perde e, por consequência, aqueles florais que são realmente necessários não funcionarão tão eficazmente como poderiam funcionar.

Contudo, nem sempre é verdade que três remédios são sempre melhor que quatro, ou que o tratamento ideal está em usar um só remédio. Se seis (oito ou mesmo nove) florais forem realmente necessários, então essa é a quantidade que você deve tomar.

Existe alguma combinação de florais ou algum floral que não se deva usar nunca?

Não. Mesmo os remédios que aparentam ser opostos diretos (como por exemplo Vervain e Wild Rose, ou Vine e Centaury) podem ser ocasionalmente necessários nalgum caso em particular. Tudo depende da personalidade e do estado emocional atual da pessoa.

É seguro tomar os florais em caso de recuperação de alcoolismo, dado conter brandy?

Se os remédios forem preparados num frasco de tratamento e tomados como habitualmente, apenas quatro gotas de cada vez, a quantidade de álcool ingerida é realmente muito pequena.

Apesar de tudo, tomar nem que seja uma gota de álcool pode ter um impacto psicológico importante em alguém que decidiu desistir completamente do consumo de álcool. Além disso, existe um fármaco fortíssimo - chamado Antibuse- que pode causar uma violenta reação se a pessoa tomar mesmo a mais pequena dose de álcool. Por esse motivo, em circunstâncias como essas é sempre melhor consultar seu médico antes de tomar florais.

Ao consultá-lo, explique-lhe que o processo de diluição e o fato de, ao tomar suas gotas numa bebida quente, a maioria (senão a totalidade) do teor de álcool presente se evapora. Comente-lhe também que é possível aplicar os florais externamente, aplicando e esfregando-os nos pulsos, por exemplo.

Em caso de dúvida, se aconselhe com a pessoa que segue o seu processo de desintoxicação.

Há possibilidade de os remédios florais serem afetados por óleos essenciais de aromaterapia se forem guardados juntos?

Não. O brandy utilizado para preservar seus florais pode ficar com o gosto alterado mas a acção dos remédios não se alterará.

Os remédios são afetados ao passar por máquinas de raio-X, leitores de código de barras, etc?

Não. Isso é um mal-entendido criado por pessoas que acreditam que os florais de Bach são delicados como os produtos homeopáticos. Mas na verdade, eles são bastante robustos e não são afetados pelos scaners dos aeroportos, nem pelos leitores de códigos de barras, ou pelas radiações de ecrãs.

Você pode colocar seus florais ao lado de sua TV ou passar com eles por detetor de segurança sem o menor problema. Também os pode guardar no frigorífico sem se preocupar.

As únicas situações que deve evitar são a exposição ao calor ou à luz solar direta que podem interferir com a preservação e o estado do próprio brandy.

Porquê não misturar todos os remédios e assim utilizá-los em todas as situações?

Alguém deu essa sugestão para o Dr. Bach e ele experimentou, mas descobriu que não funciona. O caminho mais curto e direto é efetivamente o que ele recomendou - ou seja, a seleção de remédios com precisão para determinado estado emocional ou personalidade.

Porquê motivo se utilizam quatro gotas do remédio de emergência e apenas duas de todos os outros remédios?

Porque a fórmula de resgate é um remédio composto e contém uma menor concentração de cada uma das cinco tinturas mãe que a compõe do que um frasco de remédio em si. Por esse motivo, e para obter a dose certa de cada um dos 5 componentes, se duplica a dosagem por toma.

Porquê se colocam duas gotas tanto num frasco de tratamento como num copo de água? Seguramente a pessoa que beber a água estará tomando mais florais!

É verdade, no entanto a dose tomada não tem importância, desde que a partir do momento em que você esteja tomando a dose mínima. E a dose mínima é aquela que você obtém ao tomar quatro gotas de um frasco de tratamento.

Ao colocar as gotas em um copo de água você está tomando uma dose maior do que o necessário porém isso lhe dá certa margem de erro: pode tomar sua bebida com florais sem se preocupar se o copo é grande ou pequeno; ou quanta da quantidade de água e de florais já ingeriu efetivamente, pois tem a margem suficiente para que, mesmo bebendo um só gole, a dose mínima lhe esteja garantida.

Existe alguma forma fácil de recordar quantas gotas se deve tomar de cada vez?

Utilize sempre duas gotas de um frasco de remédio de qualquer um dos 38 florais - quer esteja administrando os florais diretamente na boca, num copo de água ou num frasco de tratamento.

Em contrapartida, utilize sempre quatro gotas se estiver tomando uma mistura, seja ela selecionada e preparada por você num frasco de tratamento, ou uma mistura pré concebida comprada numa loja, como é o caso da fórmula de emergência.

Simples!

Teoria, ideologia e pesquisa

Como funcionam os remédios realmente?

Dr. Bach utilizava uma ótima metáfora para descrever a forma como os seus remédios atuavam.

Segundo ele, os florais, "como uma linda música ou qualquer outra coisa inspiradora que levante nosso astral, fazem emergir nossa verdadeira natureza, e nos aproximam de nossas almas. E tão somente por essa ação, eles nos aportam paz e aliviam nosso sofrimento."

Tal como um lindo pôr de sol ou uma foto nos podem comover e trazer-nos paz, também os florais elevam nossa energia e nos ajudam a ser e viver o melhor de nós mesmos.

Existem muitas teorias sobre como atuam os florais. A maioria das pessoas acredita que a energia forma um padrão na água, outros falam de mecânica quântica e vibrações espirituais.

Na tentativa de captar essa energia se produziram belíssimas fotos kirlian mostrando diferentes cores e formas e padrões para cada flor contudo, pouquíssima pesquisa profunda foi feita até agora, neste sentido. Qualquer conclusão aparentemente sólida é mera especulação.

A prova real de que os florais funcionam é o efeito que eles efetivamente produzem. Tomar Mimulus quando se tem medo é apenas uma forma mais específica de reação emocional, tal como quando você escuta Beethoven ou fica olhando as estrelas.

O trabalho de Dr. Bach se adequava ao anos 30, mas será que os tempos modernos não pedem remédios modernos?

Será que isso significa que necessitamos novos remédios?

Nós achamos que não, uma vez que os remédios não tratam aquilo que despoleta nossas emoções em si.

Medo é o mesmo sentimento que sempre foi. Tal como o amor, a compreensão ou a bondade. Nossas emoções modernas não são mais complexas do que aquelas descritas por Shakespeare, por Dante ou pelos autores bíblicos.

Muitos dos conceitos de espiritualidade da Nova Era são redescobertas de antigas crenças e práticas que nos põe em maior contacto com nossas raízes e nos recordam nossa relação com o mundo e com a natureza.

Os remédios deveriam ser vistos nesse contexto: não como algo passível de ficar fora de moda mas como algo eternamente renovado e intemporal.

Os 38 remédios nos põem em contacto com o nosso ser superior e espiritual - e desse modo nos proporcionam a liberdade de nos desenvolvermos ao nosso próprio ritmo, qualquer que seja, livres da ganância de nosso ego de se "iluminar" imediatamente.

Porquê o Bach Centre não apoia o uso de pêndulo e a kineseologia como métodos de seleção de remédios?

Quando utilizamos o pêndulo ou kineseologia ou qualquer outra técnica mecânica ou mesmo intuitiva como método de seleção estamos criando uma barreira.

Pois a maioria das pessoas não sabe usar um pêndulo ou fazer testes musculares e por isso podem se sentir obrigados a recorrer ao terapeuta para selecionar seus remédios.

Além disso, se a seleção feita com o pêndulo for assertiva, ela pode estar indo demasiado diretamente ao cerne da questão do cliente, sendo que o cliente pode não estar necessariamente preparado para ir tão longe.

O que significa que o auto-conhecimento, que é um dos objetivos principais do sistema floral, não será atingido como gostaríamos.

Acreditamos que o tratamento deve acompanhar o ritmo do cliente, e não do terapeuta e essa é a razão pela qual todos os BFRPs assinaram um Código de Prática no qual se comprometem a utilizar em suas consultas apenas a clássica técnica de questionário que Dr. Bach concebeu.

Porquê o Bach Centre não aprova o uso de outros sistemas florais?

O Dr. Bach sempre quis manter seu trabalho o mais simples possível para que todo o mundo pudesse entendê-los. Antes de morrer ele alertou seus colaboradores para o fato de possíveis tentativas de alterar e complexificar o seu trabalho.

Ao que seus assistentes responderam prometendo manter inalterada a simplicidade e pureza do sistema e de seus métodos.

Nós acreditamos que os 38 florais são suficientes, quando combinados corretamente, para curar todo o leque de emoções humanas.

Essa é a razão pela qual a equipe do Bach Centre continua a trabalhar apenas com o sistema original de 38 remédios florais.

Isso não é uma crítica aos outros sistemas florais; tudo o que é útil acaba encontrando seu lugar. Porém acreditamos que a simplicidade do sistema original é algo que merece ser preservado.

Que posso esperar de um BFRP quanto à forma como desempenha o seu trabalho?

A resposta completa a esta questão encontra-se no nosso Código de Prática mas, em resumo, um BFRP garantidamente:

  • trabalhará com o sistema floral segundo o método do próprio Dr. Bach
  • apresentará os 38 florais como um sistema completo e separado, ou seja, não o confundindo ou misturando com outras abordagens a nível de saúde nem com outros sistemas florais
  • ensinará seus clientes a utilizar os remédios autonomamente
  • se expressará de forma clara e utilizará os remédios de um modo simples, frontal e acessível

Todas estas premissas refletem o ideal de simplicidade e auto ajuda desenvolvido pelo Dr. Bach.

Li textos escrito pelo Dr. Bach sobre «ajudantes e curadores» e possíveis relações entre florais e astrologia - porque motivo o Bach Centre não fala desses assuntos nem publica esses textos de novo?

O Dr. Bach explorou muitos conceitos e teorias ao longo de sua carreira e escreveu notas, artigos e cartas sobre essas considerações.

Contudo, em todas as etapas de seu trabalho, ele foi reformulando e descartando tudo aquilo que deixasse de lhe parecer relevante.

Por exemplo, ele ponderou o uso da técnica homeopática de sucção, descartou possíveis nexos entre os remédios e a astrologia, desistiu do diagnóstico através de sintomas fisiológicos e abandonou a ideia de que certos remédios trabalhariam em planos superiores e outros em planos inferiores, por considerá-la obsoleta.

Ele era uma pessoa muito assertiva e sensível quanto a esses «excessos de bagagem».

Quando, em 1930, ele decidiu deixar Londres e se dedicou aos remédios florais pegou fogo a todos os seus panfletos e notas desatualizadas.

Mais tarde, já em Mount Vernon, ele fez de novo uma fogueira no jardim para queimar aquilo que ele considerava serem os andaimes da construção de seu sistema floral.

Ainda nesse sentido, ele deu ordens expressas para que seus editores destruíssem todas as edições anteriores ainda em stock de «Os Doze Curadores» cada vez que uma nova edição fosse lançada.

Pois ele não queria que antigas edições fossem reeditadas, uma vez que continham informação desatualizada sobre descrições dos florais e conceitos que ele já não considerava serem os mais precisos e já não utilizava em sua prática.

Dr. Bach sentia que essas ideias e descrições por ele descartadas seriam utilizadas por pessoas com intenção de complexificar o sistema por motivos pessoais.

O papel do Bach Centre quanto a essa situação foi claramente descrito pelo próprio Dr. Bach numa carta endossada a seu amigo Victor Bullen, pouco antes de morrer: Nosso trabalho é aderir rápida e prontamente à simplicidade e pureza desse método de cura.

Da nossa parte, nós tentamos manter-nos fiéis ao desejo de nosso fundador. Livros como The Origianl Writtings of Dr. Bach, publicado em parceria com o Centro são apresentados como documentos históricos, devidamente contextualizados - e sem as obsoletas descrições dos florais, como desejava o Dr. Bach.

Apesar de nossos esforços, versões antigas de «Os Doze Curadores» foram efetivamente publicadas de novo em 1980 e se encontram amplamente disponíveis.

E tal como Dr. Bach previu seus velhos conceitos são a amiúde referidos por escritores e terapeutas, por vezes sem a devida contextualização histórica.

Tudo o que podemos fazer quanto a isso é continuar ressaltando que o sistema tal como o Dr. Bach o deixou se encontra acabado e é mais perfeito e muito mais simples que todas as versões anteriores do mesmo.

Como podem 38 remédios cobrir todos os estados de espírito existentes?

Se pode fazer uma ótima analogia no sentido de tentar responder essa questão observando o mundo da cor.

Existem apenas três cores básicas (vermelho, azul e amarelo), porém todas as cores visíveis podem ser produzidas ao combiná-las.

Do mesmo modo, existem 38 estados mentais básicos que combinados produzem centenas de milhares de combinações.

Já foi comprovada cientificamente a eficácia dos florais de Bach?

Quando o Dr. Bach confiou seu trabalho a Nora Weeks (e ao fazê-lo lançou as fundações do Bach Centre) ele a aconselhou a manter sua vida simples, bem como seu trabalho. Dentro dessa lógica, nós nunca tratámos de provar que os florais funcionam.

Nosso trabalho é demonstrar às pessoas como utilizá-los e deixar que eles experimentem seu efeito.

Apesar disso, alguns estudos têm sido feitos ao longo dos anos, apesar de todos eles terem um valor limitado do ponto de vista científico, seja por sua pequena escala seja pelas inconsistências metodológicas que alguns deles apresentam.

O Nelson fez um excelente resumo de toda a investigação levada a cabo até maio de 2006. Desde essa data, um estudo cego foi feito e publicado sobre a fórmula de resgate nos EUA.

Mais links para estudos de investigação.

Sobre o Dr. Bach

Me ensinaram que o Dr. Bach pronunciava seu nome como "Batch". Qual é a pronuncia correta de seu apelido? E como se pronuncia no Centro o seu nome e o nomes dos florais?

Existem três pronúncias possíveis: A maioria das pessoas talvez pronuncie o seu nome como o do compositor Johan Sebastian Bach.

A família Bach, no entanto, pronunciava o seu nome como Beitch (que soa como a letra "h" pronunciada em inglês com um "b" antes).

Porém, quando estudava medicina, seus colegas pronunciavam equivocadamente seu nome como “Batch” e essa facilidade de linguagem se prolongou e esta pronúncia, apesar de errada, se manteve. Foi conhecido como "Batch" toda a sua carreira médica e  ainda hoje, no Centro, é por esse nome que é conhecido.

De que doença morreu o Dr. Bach e por que razão morreu tão jovem?

Dr. Bach tinha um câncer quando morreu, mas na verdade ele faleceu de exaustão mais do que da doença em si.

Dado que ele tinha apenas 50 anos, as pessoas nos perguntam por vezes porquê ele não pode se curar a si próprio.

O que essa pergunta ignora é que, em 1917, quando seu câncer foi diagnosticado pela primeira vez, seus colegas o informaram que teria apenas três meses de vida. Dessa altura até à sua morte em 1936, ele passou 19 anos se curando - o tempo que demorou a criação de seu sistema floral.

Porque o Bach Centre não se pronuncia mais sobre a vida pessoal do Dr. Bach, seu casamento e sua família?

Por duas razões:

  1. Porque não sabemos muito sobre sua vida pessoal pois não restou muita informação ou notas pessoais; mas também porque Nora Weeks nunca se pronunciou muito sobre esse assunto, justamente porque ele era pessoal
  2. Porque consideramos que sua vida pouco tem que ver com o sistema floral, e é nisso que nos concentramos

Contudo, e para que conste, Dr. Bach foi casado duas vezes. Sua primeira esposa morreu. De seu segundo casamento nasceu uma filha mas a relação se desfez pouco antes de ele deixar Londres em 1930.

Dr. Bach conheceu Rudolf Steiner, que previu que os florais seriam uma grande ferramenta de cura?

Existem paralelos entre as crenças de Bach e de Steiner. Contudo, tanto quanto sabemos, eles nunca se conheceram.

O Bach Centre não faz do Dr. Bach uma espécie de deus, como se ele fosse um objeto de culto?

De modo algum! O Dr. Bach não era mais (nem menos) divino do que qualquer um de nós. Ele era um ser humano como todos os outros, com defeitos (viciado em trabalho, um casamento falhado, por vezes temperamental)  e qualidades, como todo ser humano (coragem, persistência, desapego).

Ele foi um grande professor e descobriu uma dádiva preciosa que partilhou com os demais, porém isso não faz dele mais do que nenhum outro ser humano. Nós costumamos dizer que considerá-lo "apenas humano" é mais que suficiente!

Miscelânia

Li em algum lugar que os florais estão aprovado pela Organização Mundial da Saúde. É verdade?

Essa ideia parece ter surgido porque a Organização Mundial da Saúde mencionou os remédios florais de Bach num de seus relatórios juntamente com outras terapias complementares para ilustrar alguns tipos de técnicas complementares de saúde sendo utilizadas a nível mundial.

Parece que alguém interpretou, erroneamente, essa referência como sendo uma aprovação oficial dos florais de Bach por parte da Organização Mundial da Saúde. Esta crença equivocada acabou sendo referida num livro. Outros autores acabaram citando essa frase em suas obras; ao ponto da idéia se ter espalhado mundialmente, sobretudo entre os países hispanos.

Tanto quanto sabemos, esta afirmação não é correta. A OMS não aprova nem licencia nenhum tipo de tratamento, por isso essa questão não deveria ser sequer levantada.

A quem pertence o Bach Centre?

A casa e o jardim de Mount Vernon são propriedade da Dr. Edward Bach Healing Trust, um fundo de caridade registado em 1989 para ajudar os mais idosos, pobres e doentes.

O fundo de beneficiência, por sua vez, aluga o espaço a duas entidades: a Bach Centre Mount Vernon Ltd. e a Bach Visitor and Education Centre Ltd. Estas duas empresas gerem o dia a dia do Centro incluindo o Registo Internacional de terapeutas (BFRPs).

Ambas companhias são propriedades da família Ramsell. John Ramsell que faleceu em 2008, se juntou ao centro nos anos 70, a convite de Nora Weeks e Victor Bullen. Sua filha, Judy é atualmente a diretora do Centro. A mais ninguém pertence a chefia e o controle das atividades do Bach Centre.

Li que a Nelsons comprou o Bach Centre. É verdade?

Não.

Um julgamento ocorrido no final dos anos 90 , em que a Healing Herbs processou a Nelsons, incluía a falsa insinuação de que a Bach Centre Mount Vernon Ltd. tinha sido vendida à Nelsons em 1993. Porém essa afirmação era e se provou falsa.

É certo, contudo que uma empresa com nome semelhante foi vendida à Nelsons em 1993 como parte da venda do negócio de produção de remédios florais do Centro. Mas, o Bach Centre Mount Vernon Ltd. não foi vendido em momento algum e continua sendo gerido, como aliás todo o Bach Centre, como parte de uma organização independente.Leia também a questão A quem pertence o Bach Centre?

O que é a Bach Foundation?

O Bach Centre criou a Bach Foundation (ou a Dr. Edward Bach Foundation Ltd.) no início dos anos 90. Seu objetivo era dar formação e gerir o Registro de terapeutas para o Bach Centre.

Em 2007 decidimos gerir a formação e o resgistro a par da loja, do centro de visitantes, etc. Por isso decidimos transferir as funções do Dr. Edward Bach Foundation Ltd. para uma nova empresa chamada Bach Visitor and Education Centre Ltd.

Ainda utilizamos a designação e o logótipo "Bach Foundation" em relação a nosso programa de registro de terapeutas mas o Registro e a aprovação de cursos são diretamente geridas pelo Centro. "Bach Foundation" é uma marca registada e não um nome de uma organização separada.

Os BFRPs são obrigados ou induzidos a utilizar alguma gama de florais específica?

Não. O Código de Prática não faz referência a gamas e os BFRPs são inteiramente livres de escolher qual utilizar, podendo inclusivamente preparar seus próprios remédios florais se pretenderem.

Porque motivo os remédios têm data de validade? Deveria deixar de usá-los após essa data?

Por lei, os remédios têm que ter uma data de validade. O período de 5 anos indicado, se relaciona com o tempo de vida de armazenamento numa garrafa de tampa de borracha do próprio brandy.

Os remédios manterão suas propriedades indefinidamente - apesar do brandy poder começar a ter um sabor estranho depois desses 5 anos.

O que são os métodos solar e de fervura?

O método solar implica colocar as sumidades floridas em uma taça transparente cheia de água de nascente; deixar a taça exposta ao sol durante 3 horas, e após essas 3 horas remover as flores. A água energizada é misturada com uma quantidade igual de brandy.

O método de cocção implica colocar a matéria floral numa panela de água de nascente e fazê-la cozer meia hora; deixar arrefecer e retiram todos os restos da planta, misturando a água energizada com uma quantidade equivalente de brandy.

Em ambos casos a mistura se designa por Tintura-mãe. Essas tinturas-mãe são diluídas numa relação de duas gotas por cada frasco de 30ml cheio de brandy, dando origem aos frascos de remédios vendidos no mercado (que nós designamos "stock bottle").

Qual a diferença entre a edição de «Os Doze Curadores» de 1936 e as edições mais recentes do Bach Centre?

Desde que o Dr. Bach a escreveu, a obra «Os Doze Curadores» foi sempre a mais importante obra sobre os remédios florais. No Bach Centre sempre a tomamos como um texto básico de consulta - não como um documento histórico, mas como um manual que todo o mundo pode usar, que todo terapeuta possui e mesmo hoje em dia, nós o consultamos frequentemente. De cada vez que o fazemos, recebemos nossas entendimento sobre o sistema.

Enquanto texto de consulta, «Os Doze Curadores» tem sido revisto e aumentado ao longo dos anos para que cada nova edição vá ao encontro de novas necessidades entretanto surgidas. Isso foi exatamente o que Dr. Bach fez durante a sua vida - na realidade, as primeiras atualizações realizadas depois de 1936 foram ordenadas pelo próprio Dr. Bach antes de falecer.

Comparando a edição facsimile de 1936 e a edição ebook do Bach Centre de 2009 as diferenças mais relevantes são as seguintes:

  • A versão de 2010 contém a versão mais longa da introdução ditada pelo Dr. Bach no fim de Outubro de 1936, posterior à edição desse ano.
  • A frase de descrição do Rock Rose referindo-se ao remédio como o "rescue remedy" foi retirada para evitar mal entendidos com a sobejamente conhecida.
  • A lista de farmácias distribuidoras de florais de Bach desapareceu, pois o número de locais onde os remédios estão disponíveis aumentou muito além das possibilidades de colocá-los em formato livro.
  • As instruções de dosagem foram reescritas. Atualmente elas incluem indicações de como escolher florais, como usá-los em animais e em plantas; explica como usar a mistura de crise; bem como claras instruções sobre a dose mínima diária.
  • A introdução de 1936 sobre como fazer os remédios pois Dr. Bach a concebeu pensando naqueles que estariam fazendo os remédios para seu uso pessoal, e para simplificar a descrição, ele deixou de fora uma das diluições do processo, e porque, na prática, a maioria das pessoas se debatia para encontrar as plantas devido a suas nomenclaturas latinas. Para proporcionar ajuda prática e consistente, Nora Weeks e Victor Bullen escreveram o livro Illustrations and Preparations que inclui descrições detalhadas e fotografias das plantas corretas.
  • Algumas das nomenclaturas latinas das plantas foram alteradas. Continuam sendo as mesmas plantas, porém, as edições mais atuais refletem as mudanças nas Leis Internacionais de Nomenclatura Botânica.

A edição de 1936 continua sendo, apesar de tudo, a edição final preparada para a imprensa pelo próprio Dr. Bach, por isso temos o prazer de a republicar um facsimile em edição ebook.

Como chegar ao Bach Centre?

Leia nossa informação para visitantes que inclui um mapa e instruções detalhadas de como nos encontrar.