Sobre a simplicidade

Cherry PlumTinturas mãe

Estamos no princípio da primavera e as cerejeiras estão quase em plena flor no jardim do Bach Centre. Nos próximos dias será o momento de preparar a tintura mãe de Cherry Plum.

O preparador de remédios recolherá suficientes brotos floridos para encher duas panelas. Ele encherá as panelas de água e as colocará no fogão para ferver. Depois de meia hora fervendo, ele as levará para o jardim, para arrefecer.

Mais tarde, o preparador de remédios coará o liquido e o colocará em uma garrafa de vidro escuro de 1lt, misturado já com a mesma quantidade de brandy. Essa é a essência mãe: ela será etiquetada e armazenada.

Esse é um processo simples e não requer nenhuma preparação ou capacidades especiais. Tudo o que é necessário é luz do sol, água, brandy, frascos e a planta certa no dia certo.

Quando chegar o momento de diluir essa tintura mãe em frascos de estoque, ela será misturada com mais brandy – duas gotas de tintura mãe para 30 ml de brandy – e enviadas para todo o mundo.

Enquanto esperamos que a árvore floresça há muitas coisas para fazer. A equipe do Bach Centre recebe e-mails de todo o mundo, a maioria deles perguntando como utilizar os florais. As pessoas se confundem com as diferentes idéias, métodos de seleção e crenças relacionadas com cada um deles. Até questões simples como quantas gotas tomar de cada vez podem ser confusas quando diferentes autores recomendam dosagens tão vagas e amplas como por exemplo de duas a dezasseis gotas de cada vez.

Na verdade, tomar florais deveria ser tão simples como prepará-los: tudo o que você necessita fazer é ler as indicações que Dr. Bach escreveu em Os Doze Remédios Curadores e escolher aqueles que você necessita

ClematisHistória

Nós passamos muito tempo falando de simplicidade, o que talvez queira dizer que para a maioria das pessoas simplicidade é um assunto difícil e complexo. Aliás, a própria história dos florais demonstra que a simplicidade pode demorar tempo para atingir.

Dr. Bach se formou como médico em 1912, ao receber seu diploma ele disse que “iria precisar de 5 anos para esquecer aquilo que tinha aprendido”. Na verdade levou mais tempo. Demorou 18 anos até ele finalmente virar costas à pesquisa convencional, quebrar todos seus vidros de laboratório e deixar Londres.

A descoberta dos florais tardou outros 5 anos. Durante os quais o Dr. Bach aperfeiçoou dois métodos completamente inovadores de preparação de medicamentos a partir de plantas - o método solar e o método de fervura que continuamos utilizando hoje em dia.

Simultaneamente, sua sensibilidade à natureza e às pessoas que o procuravam crescia. Perto do final, ele próprio sofria dos mesmos sintomas e agonias mentais que seus pacientes. Durante a busca dos 19 últimos remédios, em 1935, ele sofreu agudamente dos 19 estados mentais para os quais estava procurando um floral correspondente, encontrando alívio apenas quando encontrava a planta adequada.

ChicoryFinalização

Dr. Bach declarou completo seu sistema quando encontrou todos os remédios necessários – um total de 38 preparações. Os 38 florais poderiam ser misturados em um total de 293 milhões de combinações diferentes e, apesar de tudo, eram tão simples de preparar e utilizar que qualquer pessoa o poderia fazer.

Dr. Bach gozou de vários anos de pesquisa bem sucedida e reconhecida. Seu trabalho lhe trouxe fama e um alto estatuto profissional, tanto entre médicos ortodoxos como homeopáticos. Agora ele tinha criado uma abordagem totalmente nova de cura que se concentrava exclusivamente nas emoções e na cura espiritual em vez do enfoque usual nos sistemas físicos.

Era de se esperar que quando morresse Dr. Bach nos deixasse prateleiras repletas de anotações e escritos publicados. Porém, também aqui ele pretendia deixar tudo o mais limpo e organizado possível. Durante o processo de descoberta de cada floral, ele ia removendo de sua prática todas as teorias e ideias desnecessárias. As primeiras influências a ser eliminadas foram o seu laboratório e a pesquisa convencional, após isso muitas outras coisas se seguiram.

Por exemplo, ele descontinuou a técnica de sucussão homeopática, investigou e descartou os vínculos entre seus remédios tipo e a astrologia, desistiu de diagnóstico pelos sintomas físicos e abandonou muitíssimas outras ideias desnecessárias, como a de que certos remédios trabalham nos planos superiores e outros nos planos inferiores do ser.

Próximo do final ele fez uma fogueira no pátio de Mount Vernon onde queimou muitas de suas anotações iniciais, com a intenção de que elas não sobrevivessem, assim, de futuro, elas não correriam o risco de desviar as pessoas da simplicidade alcançada em seu trabalho. Tudo o que precisava ser dito tinha sido dito nas 32 páginas do livro Os Doze Remédios Curadores.

Para ele, o trabalho descartado e as ideias abandonadas eram como andaimes: úteis enquanto se constrói as paredes e se coloca o telhado porém, uma vez habitável a casa, os andaimes se tornam desnecessários e incómodos.

Em 1936, algumas pessoas começaram a promover a idéia de combinar os 38 remédios em um elixir e assim resolver os problemas de todos com um único mix - uma idéia que o Dr. Bach já tinha tentado e abandonado.

«Penso que agora que vocês viram todas as fases desse trabalho» escreveu ele a seu amigo Victor Bullen em outubro desse ano, um mês antes de morrer: «é prova do valor de nosso trabalho, o fato de agências matérias se erguerem para o distorcer, porque a distorção é uma arma bem mais forte do que a tentativa de destruição».

Na mesma carta ele indica a senda que seus sucessores deveriam seguir: «Nosso trabalho é aderir rápida e prontamente à simplicidade e pureza desse método de cura.» escreveu ele «e quando uma próxima edição de Os Doze Remédios Curadores for necessária, deveremos fazer uma introdução mais extensa, realçando firmemente o inócuo, simples e maravilhoso poder de cura dos remédios florais.»

CentauryValores e mudança

Simplicidade e pureza: o Bach Centre existe graças a sua colaboradora de longa data, Nora Weeks e a Victor Bullen que prometeram continuar a honrar esses valores.

Mas os tempos mudam, dizem alguns, As coisas se complicaram. Há mais técnicas poderosas e diversas do que havia no tempo de Dr. Bach, técnicas que provavelmente ele teria utilizado se tivesse tido acesso a elas. Todas as semanas ouvimos falar de uma nova forma de escolher, aplicar e preparar florais, ou de novos remédios que se poderiam juntar aos 38 florais originais – seguramente alguma dessas ideias é válida e passível de incorporar ou apoiar de algum modo, certo?

Todo mundo é livre de trabalhar com os florais como entender, de preparar novas essências ou mesmo de criar construções teóricas ou religiosas. Nós temos um caminho diferente.

Na época de Dr. Bach era possível ler Os Doze Remédios Curadores e experimentar diretamente a simplicidade e a pureza do conceito original. Graças aos esforços daqueles que herdaram seu trabalho – nossos predecessores no Bach Centre – hoje em dia as pessoas continuam tendo essa oportunidade. Nosso dever hoje e de futuro é o de nos assegurarmos que o coração simples de seu trabalho continue pulsando.

Isso quer dizer mais do que continuar imprimindo os livros de Dr. Bach ou continuar mantendo sua casa aberta para os visitantes. Significa também estar aqui, como esteve o Dr. Bach e Nora Weeks para falar de seu trabalho, contrapondo sua simplicidade diante de toda complicação e acrescento.

Existem gurus e sacerdotes de todos os tipos para quem o deseje. A nossa “igreja” é muito humilde, com poucas formalidades e menos rituais ainda, onde o simples sistema floral se mantém tal como era nos anos 30.

Ou seja, vocês querem ficar quietos. Vocês não querem acrescentar nada ao produto final mesmo que isso pudesse torná-lo mais útil.

O segredo dos grandes escultores é que eles libertam da pedra a bela figura que a habita e, uma vez libertada, solta suas ferramentas. Tal como a figura na pedra, os florais não foram criados pelo Dr. Bach mas antes descobertos por ele. Ele sempre se referia aos remédios não como uma façanha pessoal mas como uma dádiva de Deus e da natureza. «Gente como nós, que experimentou a glória do auto-sacrifício, a glória de ajudar seus irmãos, à gente como nós, que ofereceu uma jóia de tal magnitude nada nos poderá desviar de nosso caminho de amor e do dever de mostrar, de partilhar seu brilho puro e despojado às pessoas desse mundo.»

HeatherUma dádiva

Porque eles são uma dádiva e não uma criação humana é que os 38 remédios florais são perfeitos e completos. Baseamos essa afirmação em dois fatos:

  • Primeiro, as emoções não mudaram desde os anos 30, apesar das causas dos medos, das preocupações, dos ciúmes e dos entusiasmos serem outros
  • Segundo, pelo fato de em 80 anos nunca termos tido que recusar ajuda a ninguém – e durante todo esse tempo as pessoas não só receberam florais como também aprenderam a usá-los, o que não teria sido possível se o sistema fosse mais complexo

Dr. Bach tinha o dom da cura através da imposição de suas mãos, no entanto ele percebeu que esse dom não era comum a todo o mundo nem seria facilmente ensinado ou partilhado. Os florais e seu modo simples de funcionar colocavam nas mãos de todo mundo esse mesmo poder de cura.

«Pensem só na alegria que isso traz para aqueles que desejam poder fazer algo por aqueles que estão doentes» asseverou ele ao público ouvinte de sua palestra em Wallingford, dois meses antes de morrer «Isso lhes dá o poder de curar seus semelhantes.»

Essa é a mensagem central de Dr. Bach: somos todos curadores. Todos poderemos utilizar os remédios florais. Todo mundo pode curar e, durante o processo, entender quem são e como tomar conta de seus destinos.

Nesse caso, argumentam nossos críticos, porque motivo o Bach Centre forma terapeutas profissionais?

O Centro não criou os terapeutas profissionais, eles já existiam. E as pessoas os procuram porque os acham muito úteis. Alguns terapeutas escolhem trabalhar de formas consideradas difíceis de entender, o que gera não só uma aura de mistério em redor dos remédios mas também uma dependência daquele que procura ajuda em relação ao terapeuta.

De nossa parte, nós treinamos pessoas para serem educadores, para que seus clientes possam ser por eles ensinados a usar os florais e o possam fazer por si próprios. Nossos melhores BFRPs (practitioners registrados) perdem todos seus clientes e se orgulham disso.

O Dr. Bach trabalhou vários anos em hospitais e estava bastante consciente de seus efeitos negativos para o espírito humano. Depois de deixar Londres e começar seu trabalho com as flores ele começou sonhando com um outro tipo de hospital. Um lugar onde as pessoas viriam livremente para se encontrar a si próprias e aprender as lições que sua vida lhes estava ensinando.

Ele sonhava com médicos que entendessem as pessoas como indivíduos e estudassem a natureza humana muito além de seus tubos de ensaio e seus resultados laboratoriais. Imaginou pacientes cuidando de sua saúde por entender e aceitar as necessidades de suas almas, em vez de o fazer apenas reconhecendo as necessidades de seu corpo físico.

Se você pensar nesse tema chegará a uma conclusão surpreendente: que os hospitais, os médicos e os pacientes que Dr. Bach descreve são uma mesma coisa. Eles existem em todos e cada um de nós. O hospital não é um edifício qualquer, é um estado de espírito dentro de nós, um ângulo da alma. O médico do futuro e o paciente empoderado somos nós, você e eu, cada um cuidando de si próprio e ajudando-nos mutuamente com estes remédios.

Rock RoseRemédios e alfaces

Mas se os remédios são vendidos como vegetais no Mercado, onde está a auto ajuda nisso aí?

Qualquer um pode preparar seus próprios remédios, razão pela qual as instruções de preparação nunca foram patenteadas, muito pelo contrário, elas foram publicadas. Primeiro nas edições iniciais de Os Doze Remédios Curadores e mais tarde por Nora e Victor em seu livro Illustrations and Preparations.

Por razões óbvias, a maioria das pessoas acha mais cómodo e mais conveniente utilizar florais preparados por outros. Para colmatar esta necessidade Dr. Bach, e mais tarde Nora e Victor, preparava toda a gama de remédios em frascos de estoque para distribuir por seus pacientes e abastecia uma quantidade selecionada de farmácias de Londres com tinturas mãe, para que elas pudessem com suas instruções diluí-las em frascos de estoque preparando assim os diferentes florais de seu sistema e distribuindo-os por seus postos de venda.

Hoje em dia, as tinturas produzidas com plantas do jardim do Centro vão para uma das três companhias que desde o inicio distribuem florais para todo o mundo, a Nelsons. Além existem outras companhias fazendo os 38 florais. Em vez de estar apenas disponíveis em um reduzido número de pontos de venda, eles podem ser facilmente adquiridos em lojas convencionais. Você os pode comprar tanto numa loja de aeroporto como num supermercado.

Wild RoseO que acharia Dr. Bach de tudo isso?

Esta disponibilidade mundial não agrada a todo mundo. Por vezes escutamos alguém falar, «Dr. Bach deve estar dando voltas em seu caixão!»

Mas a imagem de Dr. Bach como um homem etéreo, um místico esotérico que repelia as pessoas normais está muito longe de ser verdade. O verdadeiro Dr. Bach costumava organizar noites de cantoria no pub da aldeia e jogava futebol com a garotada dali. O verdadeiro Dr. Bach desafiou o Concelho Médico Geral ao publicar um anúncio nos jornais e quando o Concelho lhe escreveu desaprovando seu gesto ele respondeu prontamente com as seguintes palavras: «O anúncio servia o público o que, pelo que estou sabendo, é o nosso trabalho nessa profissão.»

Dr. Bach ficaria muito agradado de ver seus remédios serem trazidos para o mercado, junto com as couves, pois isso facilitaria às pessoas adquiri-los e usá-los. «Quero que seja tão simples como isso:», ele costumava dizer «você tem fome, vai à horta e tira uma alface para o almoço; você tem medo ou está doente, toma uma dose de Mimulus.»

Na cidade, aqueles que não tem horta compram suas alfaces. Virá o tempo em que, do mesmo jeito, comprarão os remédios florais.

Nós nunca escondemos: manter a simplicidade é tão difícil para nós como foi para Dr. Bach alcançá-la. O nosso desejo de manter o sistema simples e acessível ao maior número de pessoas possível tem nos levado a zonas bem distantes das taças cristalinas, das panelas de fervura e das sumidades floridas. Tivemos que nos desviar até aos regulamentos e diretivas do Concelho da União Europeia, às inspeções oficiais, aos controles de qualidade.

De vez em quando nos deparamos com conflitos e desacordos. De um lado estão aqueles que desejam que os remédios sejam misteriosos, mágicos e exclusivos; do outro lado estão aqueles que – com o mesmo grau de entusiasmo – desejam que os florais sejam vendidos como sabão no supermercado, cuidando pouco dos valores básicos do sistema floral.

Porém, as taças cristalinas, as panelas de fervura e as sumidades floridas continuam presentes. Os 38 remédios e suas mensagens de auto cura são os mesmos desde que Dr. Bach caminhou até Wallingford em 1936 para entregar seu trabalho para o mundo. O Hospital do futuro continua também aqui, bem presente, um santuário de paz, esperança e alegria. Está em nossas mãos escolher descobri-lo ou não.